Tratamento de Síndrome das pernas inquietas


Muitas vezes a síndrome das pernas inquietas é resolvida com o tratamento da doença subjacente que está causando o problema, como a anemia, ou a retirada de um medicamento causador da síndrome.

Caso não haja nenhuma condição associada ao quadro de síndrome de pernas inquietas, existem tratamentos focados em mudanças de hábitos ou medicamentos.

Entre as mudanças de hábitos que podem amenizar ou mesmo solucionar os sintomas da síndrome das pernas inquietas, encontramos:

Banhos mornos e massagens, que relaxam os músculos;

Tratamento com quente e frio, para reduzir as sensações nas pernas;

Técnicas relaxantes, como ioga ou meditação, para redução do estresse, que pode agravar os sintomas do problema;

Higiene do sono, pois a fadiga pode piorar os sintomas da síndrome;

exercícios regulares e moderados que envolvam também alongamentos, feitos sob orientação de um educador físico, podem melhorar os sintomas;

Redução no consumo de cafeína, reduzindo o café, chás, refrigerantes e chocolates.

Medicamentos

Não existem medicamentos feitos diretamente para o tratamento da síndrome das pernas inquietas. No entanto, alguns medicamentos desenvolvidos para o tratamento de outras doenças têm se mostrado eficazes para o problema. Entre eles:

Medicamentos que aumentam a dopamina no cérebro;

Drogas que mexem nos canais de cálcio;

Opióides, que no entanto podem causar vício se usados em grandes quantidades;

Benzodiazepínicos, categoria que engloba alguns relaxantes musculares e remédios para dormir.

Porém, alguns medicamentos que fazem efeito no começo do tratamento podem se tornar ineficazes com o tempo.

Algumas drogas usadas para a síndrome das pernas inquietas também são contraindicadas na gravidez. Nessa fase, as mudanças de hábitos ajudam a controlar melhor o problema;

O uso de antidepressivos e antipsicóticos pode piorar os sintomas da síndrome das pernas inquietas. Por isso, se você usa essas medicações, converse com o seu médico.

Somente um médico pode dizer qual o medicamento mais indicado para o seu caso, bem como a dosagem correta e a duração do tratamento. Siga sempre à risca as orientações do seu médico e NUNCA se automedique. Não interrompa o uso do medicamento sem consultar um médico antes e , se tomá-lo mais

de uma vez ou em quantidades muito maiores do que aprescrita, siga as instruções da bula.

Apesar da síndrome das pernas inquietas ser um quadro simples e que muitas vezes não causa problemas, casos mais severos podem resultar em depressão e atrapalhar o cotidiano do paciente. Além disso, pessoas que desenvolvem o problema durante a noite ou têm movimentos periódicos das pernas durante o sono podem ter problemas como insônia ou noites mal dormidas.


Referências:

International Restless Legs Syndrome Study Group

Clínica Mayo

9 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo